Frases e Pensamentos de Solidão

Frases de Solidão,Mensagens de Solidão,Pensamentos de Solidão, Reflexões sobre Solidão, Citações de Solidão,Poemas,Poesias

SOLIDÃO

106 resultados encontrados

A velhice poderia ser a suprema solidão, não fosse a morte uma solidão ainda maior
( JORGE LUIS BORGES )


A solidão é a sorte de todos os espíritos excepcionais.
( ARTHUR SCHOPENHAUER ) Mensagem sobre solidão


Na solidão o amor se retempera. Na solidão forja-se a saudade, que intensifica o amor.
( Frases e Pensamentos de Amor)


O amor só pode ser nutrido pela solidão
( LEO BUSCAGLIA )


Para a maioria dos homens, a guerra é o fim da solidão. Para mim, é a solidão infinita
( Frases e Pensamentos de Albert Camus )


E ninguém é eu,e ninguém é você. Esta é a solidão.
( Frases e Pensamentos de Clarice Lispector) Mensagem sobre solidão


A solidão é um deserto que cada um povoa à sua vontade.
( Frases e Pensamentos de Diane Ackerman) Mensagem sobre solidão


Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão.
( Frases e Pensamentos de Vinícius de Moraes) Mensagem sobre solidão


Ah,a solidão! Às vezes um suplicio,às vezes um alívio!
( Frases e Pensamentos de Autor Desconhecido) Mensagem sobre solidão


A solidão é a sorte de todos os espíritos excepcionais.
( Frases e Pensamentos de Arthur Schopenhauer) Mensagem sobre solidão


Minha força está na solidão.(Frases e Pensamentos de Clarice Lispector)


A solidão é um transplante de um peito de carne para um peito de aço.
( Frases e Pensamentos de Mônica Banderas) Mensagem sobre solidão


A solidão é uma arma que mata mesmo não tendo ninguém para dispará-la.
( Frases e Pensamentos de Autor Desconhecido) Mensagem sobre solidão


A companhia de um paulista é a pior forma de solidão.
( Nélson Rodrigues )


Nada a dizer,nada a acrescentar,a não ser a reincidente renitente constatação da solidão humana.
( Frases e Pensamentos de Lupa) Mensagem sobre solidão


A pior solidão que existe é darmo-nos conta de que as pessoas são idiotas.
( Frases e Pensamentos de Gonzalo Torrente Ballester) Mensagem sobre solidão


Quem encontra prazer na solidão, ou é fera selvagem ou é Deus.
( ARISTÓTELES )


A solidão é o destino de todos os espíritos eminentes.
( ARTHUR SCHOPENHAUER )


A solidão é a sorte de todos os espíritos excepcionais.
( ARTHUR SCHOPENHAUER )


Livros e solidão: eis o meu elemento.
( Frases e Pensamentos de Benjamin Franklin )


Deus costuma usar a solidao para nos ensinar sobre.. (Frases e Pensamentos de Paulo Coelho)


"Não há nada que esteja só; nada pode estar em completa solidão: o que existe necessita de outro para ser."
( Frases e Pensamentos de Leopoldo Schfer) Mensagem sobre solidão


Solidão é o modo que o destino encontra para levar o homem a si mesmo
( HERMANN HESSE )


Toda mulher é muito solitária. O importante é encontrar um desvio na trilha da solidão para não entristecer na vida.
( Frases e Pensamentos de Lilia Cabral) Mensagem sobre solidão


E ninguém é eu, e ninguém é você. Esta é a solidão...(Frases e Pensamentos de Clarice Lispector)


Levo-ti no coração para amenizar minha solidão.(Frases de Para-Choque de Caminhão - Caminhoneiros)


Não sei o que é a solidão. Nunca me senti só. Acho fantástico ficar comigo mesma,com meus milhões de dúvidas e preocupações.
( Frases e Pensamentos de Cleyde Yáconis) Mensagem sobre solidão


Vamos comemorar nossa saudade, comemorar nossa solidão.
( Frases e Pensamentos de Renato Russo )


Se você se sente só é porque construiu muros em vez de pontes. A pior solidão é aquela que se sente na companhia de outros.
( Frases e Pensamentos de Autor Desconhecido) Mensagem sobre solidão


A solidão é impossível, e a sociedade, fatal.
( Frases e Pensamentos de Ralph Waldo Emerson)


Odeio quem me rouba a solidão sem em troca me oferecer verdadeira companhia.
( FRIEDRICH NIETZSCHE )


Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas,pois eu também sou o escuro da noite
( Frases e Pensamentos de Clarice Lispector) Mensagem sobre solidão


Todo o inferno está contido nesta única palavra: solidão.
( Frases e Pensamentos de Vitor Hugo )


O amor é auto-sufíciente; não teme a solidão, porque nunca está só.
( Frases e Pensamentos de Amor)


Quem não souber povoar a sua solidão, também não conseguirá isolar-se entre a gente
( Autor: Charles Baudelaire )


O mais eficaz remédio para um cérebro convulsionado é a solidão.
( Frases e Pensamentos de Camilo Castelo Branco )


O homem solitário é uma besta ou um deus.
( Frases e Pensamentos de Aristóteles) Mensagem sobre solidão


Creio que a segunda coisa importante no amor é a dedicação. É o mais belo agente contra a solidão.
( LEO BUSCAGLIA )


A liberdade é algo maravilhoso,mas não quando o preço que se paga por ela tem de ser a solidão.
( Bertrand Russell )


Se você tem medo da solidão,não se case
( Frases e Pensamentos de Anton Chekov) Mensagem sobre Casamento


Ontem éramos três: eu, você e o amor. Hoje somos apenas dois: eu e a solidão.(Frases de Para-Choque de Caminhão - Caminhoneiros)


É fácil viver no mundo conforme a opinião das pessoas. É fácil, na solidão, viver do jeito que se quer. Mas o grande homem é aquele que, no meio da multidão, mantém com perfeita doçura a independência da solidão.
( Frases e Pensamentos de Ralph Waldo Emerson)


Amor são duas solidões protegendo-se uma à outra.
( Frases e Pensamentos de Rainer Maria Rilke) Mensagem sobre solidão


O pavor da solidão é maior que o medo da escravidão: assim,nos casamos
( Frases e Pensamentos de Cyril Connolly) Mensagem sobre Casamento


Na verdade, o medo da solidão e da falta de amor é tão grande na maioria de nós que é possível que nos tornemos escravos desse medo.
( LEO BUSCAGLIA )


Você foi a esperança nos meus dias de solidão,a angústia dos meus instantes de dúvida, a certeza nos momentos de fé. (Frases e Pensamentos de Paulo Coelho)


De Jorge Duruy: "O amor conjugal não é planta de ar livre e pleno sol; precisa de alguma solidão e alguma sombra".
( Frases e Pensamentos de Amor)


Ciúme gera rejeição e culpa, acirra complexos de inferioridade, estabelece o medo da perda, do abandono e da solidão.
( Frases e Pensamentos de Ciúme)


Pensamos que para sermos adultos temos que ser independentes e não precisar de ninguém. E é por isso que estamos todos morrendo de solidão.
( LEO BUSCAGLIA )


Não há solidão mais triste do que a do homem sem amizades. A falta de amigos faz com que o mundo pareça um deserto
( Frases e Pensamentos de Francis Bacon )


Talvez algum dia a solidão venha a ser adequadamente reconhecida e apreciada como mestra da personalidade. Há muito que os orientais o sabem.
(ALBERT EINSTEIN)


A Gente nasce e morre só. E talvez por isso mesmo é que se precisa tanto de viver acompanhado.
( Frases e Pensamentos de Rachel de Queiroz) Mensagem sobre solidão


Que importa morar aqui ou lá,quando se descobre que se está sozinho em qualquer lugar?!...
( Frases e Pensamentos de Débora Böttcher) Mensagem sobre solidão


Por mais que amemos nossos entes queridos,acontece às vezes,durante sua ausência,uma inexplicável paz.
( Frases e Pensamentos de Anne Shaw) Mensagem sobre solidão


A solidão é parte da pena que todo artista autêntico sofre por ser diferente do resto dos seus colegas.
( Frases e Pensamentos de Van Loon) Mensagem sobre Artista


A Gente nasce e morre só. E talvez por isso mesmo é que se precisa tanto de viver acompanhado.
( Frases e Pensamentos de Rachel de Queiroz) Mensagem sobre solidão


Por mais forte,duro e independente que possas ser,sempre haverá um momento em que precisarás de ajuda.
( Frases e Pensamentos de Autor Desconhecido) Mensagem sobre solidão


A velhice pode ser o nosso tempo de ventura. O animal está morto,ou quase morto. Restam o homem e a alma.
( Frases e Pensamentos de Jorge Luís Borges) Mensagem sobre solidão


A televisão, essa última luz que te salva da solidão e da noite, é a realidade. Porque a vida é um espetáculo: para os que se comportem bem, o sistema promete uma boa poltrona.
( Eduardo Galeno )


Somos uma sociedade de pessoas com notória infelicidade:solidão, ansiedade, depressão, destruição, dependência; pessoas que ficam felizes quando matam o tempo que foi tão difícil conquistar.
( Erich Fromm)


Quando estão sozinhos querem estar acompanhados,e quando estão acompanhados querem estar sozinhos. Isso faz parte de ser humano.
( Frases e Pensamentos de Gertrude Stein) Mensagem sobre solidão


Minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas, e foram sempre positivas para mim: silêncio e solidão.
( Frases e Pensamentos de Cecilia Meireles) Mensagem sobre Poesia


Sinto realmente que se houver, nesse mundo, uma pessoa que pudermos tocar totalmente, sem acanhamento nem vergonha, nunca morreremos de solidão. Alguém de quem você não tenha que se esconder.
( LEO BUSCAGLIA )


Solidão com Deus significa deixá-Lo viver tão intensamente em nós que, mesmo estando sozinhos com Ele, todos os homens estejam presentes nesse amor que trazemos no coração.
( Frases e Pensamentos de Chiara Lubich )


Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas,pois eu também sou o escuro da noite
( Frases e Pensamentos de Clarice Lispector) Mensagem sobre Medo


Às vezes estamos sem rumo, mas alguém entra em nossa vida, e se torna o nosso destino. Às vezes estamos no meio de centenas de pessoas, e a solidão aperta nosso coração pela falta de uma única pessoa.
( LUIS FERNANDO VERISSIMO)


Observem que o ato de cuidar não nasce do amor pelo outro, e sim da necessidade de tê-lo sempre por perto, do medo da solidão. A lição que essas pessoas não aprenderam é que a única maneira de não ser solitário é amar a si mesmo.
(ROBERTO SHINYASHIKI)


A verdadeira liberdade é um ato puramente interior,como a verdadeira solidão: devemos aprender a sentir-nos livres até num cárcere,e a estar sozinhos até no meio da multidão.
( Frases e Pensamentos de Massimo Bontempelli) Mensagem sobre Liberdade


Sentimo-nos sozinhos. Os homens são sozinhos e lutam para evita-lo. Nós não tentamos evita-lo. Sabemos que estamos sós nos acontecimentos mais importantes dos nossos corpos,das nossas vidas.
( Frases e Pensamentos de Jeanne Moreau) Mensagem sobre solidão


Há muitas coisas no seu coração que você nunca pode dizer a outra pessoa. Elas são você,suas alegrias particulares,suas tristezas,e nunca podem ser contadas. Se as contar,você estará barateando-as,barateando a si mesmo.
( Frases e Pensamentos de Greta Garbo) Mensagem sobre solidão


Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros.(Frases e Pensamentos de Clarice Lispector)


Sobre a conversação (KAHLIL GIBRAN)



...Então, um literato disse: - "Fala-nos da conversação".
E ele respondeu:
- "Vós conversais quando deixais de estar em paz com vossos pensamentos. E
quando não podeis mais viver na solidão de vosso coração, procurais viver nos
vossos lábios, e encontrais então uma diversão e um passatempo nas vibrações
emitidas. Em grande parte de vossas conversações, o pensamento é meio
assassinado. Pois, o pensamento é uma ave do espaço que, numa gaiola de
palavras, pode abrir as asas, mas não pode voar.
Há entre vós, aqueles que procuram os faladores por medo da solidão. A quietude
da solidão revela-lhes seu eu-desnudo, e eles preferem escapar-lhe.
E há aqueles que falam e, sem o saber ou prever, traem uma verdade que eles
próprios não compreendem. E há aqueles que possuem a verdade dentro de si, mas
não a expressam em palavras. No íntimo de tais pessoas, o espírito
habita num silêncio rítmico.
Quando encontrardes vosso amigo na rua ou no mercado público, deixai que o
espírito que esta em vós ponha em movimento vossos lábios e dirija vossa língua.
E que a voz escondida na vossa voz fale ao ouvido de seu ouvido; pois sua alma
guardara a verdade de vosso coração, como é lembrado o sabor do vinho. Mesmo
depois que a sua cor houver sido esquecida, e a taça que o
continha não mais existir.


A Melhor Companhia ( HENRY DAVID THOREAU )

Considero saudável estar só na maior parte do tempo. Estar acompanhado, mesmo
pelos melhores, cedo se torna enfadonho e dispersivo. Adoro estar só. Nunca
encontrei um companheiro tão sociável como a solidão. Estamos geralmente mais
sós quando viajamos com outros homens do que quando permanecemos nos nossos
aposentos. Um homem quando pensa ou trabalha está sempre só, deixai-o pois estar
onde ele deseja. A solidão não é medida pelas milhas de espaço que separam um
homem e os seus congéneres.
O estudante verdadeiramente diligente de um dos enxames da Universidade de
Cambridge está tão solitário como um derviche no deserto. O agricultor pode
trabalhar sozinho no campo ou nos bosques durante todo o dia, mondando ou
podando, e não se sentir solitário porque está ocupado; mas quando chega a casa,
à noite, não consegue sentar-se numa sala sozinho, à mercê dos seus pensamentos.
Tem que ir onde possa «estar com as pessoas», distrair-se e ser compensado pela
solidão do seu dia; e, assim, interroga-se como pode o estudante estar só em
casa durante toda a noite e grande parte do dia sem se aborrecer ou sentir-se
deprimido. Mas ele não entende que o estudante, se bem que em casa, ainda está a
trabalhar no seu campo, a podar os seus bosques, tal como o agricultor o faz nos
seus e que, por seu turno, procura a mesma diversão e companhia que este, embora
eventualmente de uma forma mais condensada.
Ouvi falar de um homem perdido na floresta e a morrer de fome e de exaustão ao p
é de uma árvore e cuja solidão era aliviada pelas visões grotescas com que,
devido à fraqueza física, a sua imaginação doente o rodeava, e que ele
acreditava serem reais. Assim também, graças à saúde e à força física e mental,
podemos sentir-nos continuamente animados por uma companhia semelhante, se bem
que mais normal e natural, e chegarmos à conclusão de que nunca estamos sós.


Meu Deus, me dê a coragem(Frases e Pensamentos de Clarice Lispector)

Meu Deus, me dê a coragem de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites,
todos vazios de Tua presença. Me dê a coragem de considerar esse vazio como uma
plenitude. Faça com que eu seja a Tua amante humilde, entrelaçada a Ti em
êxtase. Faça com que eu possa falar com este vazio tremendo e receber como
resposta o amor materno que nutre e embala. Faça com que eu tenha a coragem de
Te amar, sem odiar as Tuas ofensas à minha alma e ao meu corpo. Faça com que a
solidão não me destrua. Faça com que minha solidão me sirva de companhia. Faça
com que eu tenha a coragem de me enfrentar. Faça com que eu saiba ficar com o
nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo. Receba em teus
braços meu pecado de pensar.


A vinda do navio(KAHLIL GIBRAN)

Como poderei ir-me em paz e sem pena ?
Não, não será sem um ferimento na alma que deixarei esta cidade.
Longos foram os dias de amargura que passei dentro de suas muralhas, e longas as
noites de solidão; e quem pode despedir-se sem tristeza de sua amargura e de sua
solidão ?
Muitos foram os pedaços de minha alma que espalhei nestas ruas, e muitos são os
filhos de minha ansiedade que caminham, desnudos, entre estas colinas, e não
posso abandoná-los sem me sentir oprimido e entristecido.
Não é uma simples vestimenta que dispo hoje, mas a própria epiderme que arranco
com minhas mãos.
Nem é um mero pensamento que deixo atrás de mim, mas um coração enternecido pela
fome e pela sede.
Contudo, não posso demorar-me por mais tempo.
O mar, que chama a si todas as coisas, está me chamando, e devo embarcar.
Pois permanecer aqui, enquanto as horas queimam-se na noite, seria congelar-me e
cristalizar-me num molde.
De bom grado levaria comigo tudo o que está aqui.
Mas como fazê-lo ? A voz não leva consigo a língua e os lábios que lhe deram
asas.
É isolada que deve procurar o éter.
É também só e sem ninho que a águia voará rumo ao Sol.


Final ( Paul Géraldy )

Já que a gente vai se separar, olhe-me ainda
um instante ... Mas sem chorar: seria idiota.
Como é horrível agora a lembrança remota
do que nós fomos numa vida antiga e linda!
Nossas vidas se confundiram totalmente ...
E agora cada qual retoma o seu caminho!
E nós vamos partir, cada qual mais sozinho,
recomeçar, vagar por aí ... Certamente,
Sofreremos também ... Mas há de vir, depois,
o esquecimento, a única coisa que perdoa.
E há de haver eu e haver você; seremos dois;
seremos isto: uma pessoa e outra pessoa.
Veja! você já vai entrar no meu passado!
Havemos de nos ver na rua ...
E viveremos nossas vidas paralelas ...
E amigos contarão a você minha história ...
O nosso amor ... era esta coisa sem valor !
No entanto, que loucura a dos primeiros dias !
Lembra-se ? Que apoteose, que magia ! ...
Se nos amávamos! ... E era isto o nosso amor !
Mesmo nós, até nós então, quando dizemos
"eu te amo", o que é que vale o que estamos dizendo?
É humilhante, meu Deus! ... Somos todos os mesmos ?
Iguais aos outros, nós ? ... Como está chovendo !
Fique comigo!
Fique! Vamos viver - não sei ... - mais conformados ...
Os nossos corações, embora bem mudados,
se refaçam talvez à luz do sonho antigo ...
Vamos tentar. Ser bons, de novo. Que remédio !
Podem falar: a gente tem seus hábitos ... Então ?
Não vá! Fique! E retome a meu lado o seu tédio.
Eu retomo a seu lado a minha solidão ...


Vendaval(FERNANDO PESSOA)

Ó vento do norte, tão fundo e tão frio,
Não achas, soprando por tanta solidão,
Deserto, penhasco, coval mais vazio
Que o meu coração!
Indômita praia, que a raiva do oceano
Faz louco lugar, caverna sem fim,
Não são tão deixados do alegre e do humano
Como a alma que há em mim!
Mas dura planície, praia atra em fereza,
Só têm a tristeza que a gente lhes vê
E nisto que em mim é vácuo e tristeza
É o visto o que vê.
Ah, mágoa de ter consciência da vida!
Tu, vento do norte, teimoso, iracundo,
Que rasgas os robles — teu pulso divida
Minh'alma do mundo!
Ah, se, como levas as folhas e a areia,
A alma que tenho pudesses levar -
Fosse pr'onde fosse, pra longe da idéia
De eu ter que pensar!
Abismo da noite, da chuva, do vento,
Mar torvo do caos que parece volver -
Porque é que não entras no meu penssamento
Para ele morrer?
Horror de ser sempre com vida a consciência!
Horror de sentir a alma sempre a pensar!
Arranca-me, é vento; do chão da existência,
De ser um lugar!
E, pela alta noite que fazes mais'scura,
Pelo caos furioso que crias no mundo,
Dissolve em areia esta minha amargura,
Meu tédio profundo.
E contra as vidraças dos que há que têm lares,
Telhados daqueles que têm razão,
Atira, já pária desfeito dos ares,
O meu coração!
Meu coração triste, meu coração ermo,
Tornado a substância dispersa e negada
Do vento sem forma, da noite sem termo,
Do abismo e do nada!


ORAÇÃO DO POBRE (MADRE TERESA DE CALCUTÁ)

Quero que saibas que cada vez que me convidas, eu venho sempre, sem falta. Venho
em silêncio e de forma invisível, mas com um poder e um amor que não acabam. Não
há nada na tua vida que não tenha importância para mim.
Sei o que existe no teu coração, conheço a tua solidão e todas as tuas feridas,
as tuas rejeições e humilhações. Eu suportei tudo isto por causa de ti, para que
pudesses partilhar a minha força e a minha vitória.
Conheço, sobretudo, a tua necessidade de amor.Nunca duvides da minha
misericórdia, do meu desejo de te perdoar, do meu desejo de te bendizer e viver
a minha vida em ti, e que te aceito sem me importar com o que tenhas feito.
Se te sentes com pouco valor aos olhos do mundo, não importa. Não há ninguém que
me interesse mais no mundo do que tu. Confia em mim. Pede-me todos os dias que
entre e que me encarregue da tua vida e eu o farei.
A única coisa que te peço é que confies plenamente em mim. Eu farei o resto.Tudo
o que procuraste fora de mim só te deixou ainda mais vazio. Portanto, não te
prendas às coisas passageiras. Mas, sobretudo, não te afastes de mim quando
caíres. Vem a mim sem demora, porque quando me dás os teus pecados, dás-me a
alegria de ser o teu Salvador.

Não há nada que eu não possa perdoar.
Não importa o quanto tenhas andado sem rumo, não importa quantas vezes te
esqueceste de mim, não importa quantas cruzes levas na tua vida. Tu já
experimentaste muitas coisas, no teu desejo de seres feliz. Porque é que não
experimentas abrir-me o teu coração, agora mesmo, mais do que antes?


OS RAIOS E AS SOMBRAS - TRISTEZA D’OLIMPO ( VICTOR HUGO )

... "Tão pouco tempo é suficiente para mudar todas as coisas!
Natureza com a fronte serena , como você esquece!
E como vós se feres em suas metamorfoses
Os filhos misteriosos de onde nossos corações são limitados !
... "O limite do caminho, que vive uma jornada sem fim,
Onde antes de me entender ele gostaria de se sentar,
Cansou de golpear , quando a estrada é escura,
As grandes carruagens gémissants que volta da noite.
... "Outros irão passar agora aonde nós passamos.
Nós viemos de lá, outros virão de vir,
e o sonho que esboçará em nossas duas almas
Eles continuarão sem nunca ter fim !
... " Responda , puro vale pequeno, responda, solidão,
Oh Natureza protegida neste deserto tão belo ,
Quando nós dormiremos ambos de qualquer jeito,
Distribuir as mortes pensativas em forma da tumba ;
... "É o que vós seria capaz, sem tristeza e sem pranto ,
Ver nosso sombras flutuantes não trabalharem por nós ,
E ver o ensinamento , num abraço sombrio,
Versos de qualquer origem em lágrimas que soluçam profundamente ?
... " Eh bem! Nos esqueça, casa, jardim , sombra;
Erva, use nossa soleira ! Arbusto , não nos esconda !
Cantem , pássaros! Rios, corram ! Cresçam , folhagens!
Esses que vós esqueceis não os esquecerão.
" Porque vós sois para nós a sombra do mesmo amor,
Vós sóis o oásis daquele que se encontra na senda !
Vós sóis , oh pequeno vale, o descanso supremo ,
Onde nós choramos segurando-nos pelas mãos!
" Todas as paixões mudam com o tempo ,
Umas levam a nos mascarar e o outras nos esfaqueiam,
Como uma multidão cantando na viagem
De quem o grupo diminui atrás da pequena colina.
"... E lá, por esta noite em que nenhuma raio de estrela ,
A alma, em uma dobra escura onde tudo parecem terminar,
Sente qualquer coisa a palpitar debaixo de um véu...
És tu que dorme na sombra, oh sacra lembrança!"


A Tempestade (KAHLIL GIBRAN)

O pássaro e o homem tem essências diferentes.
O homem vive à sombra de leis e tradições por ele inventadas;
o pássaro vive segundo a lei universal que faz girar os mundos.
Acreditar é uma coisa; viver conforme o que se acredita é outra.
Muitos falam como o mar, mas vivem como os pântanos.
Muitos levantam a cabeça acima dos montes;
mas sua alma jaz nas trevas das cavernas.
A civilização é uma arvore idosa e carcomida,
cujas flores são a cobiça e o engano e cujas frutas
são a infelicidade e o desassossego.
Deus criou os corpos para serem os templos das almas.
Devemos cuidar desses templos para que sejam
dignos da divindade que neles mora.
Procurei a solidão para fugir dos homens, de suas leis,
de suas tradições e de seu barulho.
Os endinheirados pensam que o sol e a lua e as estrelas se levantam
dos seus cofres e se deitam nos seus bolsos.
Os políticos enchem os olhos dos povos com poeira
dourada e seus ouvidos com falsas promessas.
Os sacerdotes aconselham os outros,
mas não aconselham a si mesmos,
e exigem dos outros o que não exigem de si mesmos.
Vã é a civilização. E tudo o que está nela é vão.
As descobertas e invenções nada são senão brinquedos
com a mente se diverte no seu tédio.
Cortar as distâncias, nivelar as montanhas,
vencer os mares, tudo isso não passa de
aparências enganadoras, que não alimentam o
coração e nem elevam a alma.
Quanto a esses quebra-cabeças, chamados ciências e artes,
nada são senão cadeias douradas com os quais o homem
se acorrenta, deslumbrados com seu brilho e tilintar.
São os fios da tela que o homem tece desde o inicio
do tempo sem saber que, quando terminar sua obra,
terá construído a prisão dentro da qual ficará preso.
Uma coisa só merece nosso amor e nossa dedicação, uma coisa só...
É o despertar de algo no fundo dos fundos da alma.
Quem o sente não o pode expressar em palavras.
E quem não o sente, não poderá nunca conhecê-lo através de palavras.
Faço votos para que aprendas a amar as tempestades em vez de fugir delas.


O Crepúsculo da Tarde (LORD BYRON)

Anão e servos, menestrel e bardos,
o árabe narrador e as bailarinas
desertaram das salas do banquete.
Haydéa e seu amante, a sós, estavam,
vendo o sol que em desmaio no ocidente
bordava o céu de franjas cor-de-rosa.
Ave-Maria! estrela do viandante,
tu conduzes ao pouso o peregrino
que anda, longe dos seus, na terra estranha.
Salve, estrela do mar; em ti se fitam
olhos e coração do marinheiro
que no oceano te saúda agora.
Salve, rainha excelsa, Ave-Maria!
Ei-la que chega a hora do teu culto,
à tardinha, em céu meigo, à luz do ocaso!
Bendita seja est'hora tão querida,
e o tempo, e o clima, e os sítios suspirados,
onde eu gozava na manhã da vida
o enlevo, - o santo enlevo, - deste instante!
Soava ao longe, - bem me lembro ainda, -
na velha torre o sino do mosteiro;
subia ao céu em notas morredouras
o harmonioso cântico da tarde;
era tudo silêncio, - e só se ouvia
a natureza a suspirar seus hinos
de arroubo e fé, - de devoção e pasmo.
Hora do coração, do amor, das preces,
Salve, Maria. Enlevo a ti minha alma,
Como é formoso o oval de teu semblante!
Amo teu rosto feiticeiro e belo,
amo o doce recato de teus olhos,
que se cravam na terra, enquanto adejam
sobre tua puríssima cabeça
cândidas asas de celeste anúncio!
Será isto um painel da fantasia?
Um quadro, um canto, uma legenda, um sonho?
Não! somente me prostro ante a verdade.
Aprazem-se uns obscuros casuístas
em criminar-me de ímpio. - Eles que venham
ajoelhar-se e suplicar comigo...
Veremos qual de nós melhor conhece
o caminho do céu. - São meus altares
as montanhas, as vagas do oceano,
a terra, o ar, os astros, o universo,
tudo o que emana da sublime Essência,
de onde exalou-se, e aonde irá minh'alma.
Hora doce do trêmulo crepúsculo!
quantas vezes errante, junto à praia,
na solidão dos bosques de Ravena,
que se alastram por onde antigamente
flutuavam as ondas do Adriático,
Bosques frondosos, para mim sagrados
pelos graciosos contos do Boccácio,
pelos versos de Dryden; - quantas vezes
aí cismei aos arrebóis da tarde!
Tudo o que há de mais grato, a ti devemos,
ó Héspero: - ao romeiro fatigado
dás a hospedagem: - a cansado obreiro,
a refeição da tarde; - ao passarinho,
a asa da mãe; - ao boi, o aprisco:
toda a paz que se goza em torno aos lares,
o quente, o meigo aninho dos penates,
descem contigo à hora do repouso,
tu coas n'alma o doce da saudade;
moves o coração, que a vez primeira
sai da terra natal, deixa os amigos,
e anda à mercê das ondas do oceano:
enterneces, enfim, o peregrino
ao som da torre, cuja voz sentida
como que chora o dia moribundo.


Vestida de Preto Mário de Andrade ( MÁRIO DE ANDRADE )

Tanto andam agora preocupados em definir o conto que não sei bem se o que vou
contar é conto ou não, sei que é verdade. Minha impressão é que tenho amado
sempre. Depois do amor grande por mim que brotou aos três anos e durou até os
cinco mais ou menos, logo o meu amor se dirigiu para uma espécie de prima
longínqua que freqüentava a nossa casa. Como se vê, jamais sofri do complexo de
Édipo, graças a Deus. Toda a minha vida, mamãe e eu fomos muito bons amigos, sem
nada de amores perigosos.
Maria foi o meu primeiro amor. Não havia nada entre nós, está claro, ela como eu
nos seus cinco anos apenas, mas não sei que divina melancolia nos tomava, se
acaso nos achávamos juntos e sozinhos. A voz baixava de tom, e principalmente as
palavras é que se tornaram mais raras, muito simples. Uma ternura imensa, firme
e reconhecida, não exigindo nenhum gesto. Aquilo aliás durava pouco, porque logo
a criançada chegava. Mas tínhamos então uma raiva impensada dos manos e dos
primos, sempre exteriorizada em palavras ou modos de irritação. Amor apenas
sensível naquele instinto de estarmos sós.
E só mais tarde, já pelos nove ou dez anos, é que lhe dei nosso único beijo, foi
maravilhoso. Se a criançada estava toda junta naquela casa sem jardim da Tia
Velha, era fatal brincarmos de família, porque assim Tia Velha evitava correrias
e estragos. Brinquedo aliás que nos interessava muito, apesar da idade já
avançada para ele. Mas é que na casa de Tia Velha tinha muitos quartos, de forma
que casávamos rápido, só de boca, sem nenhum daqueles cerimoniais de mentira que
dantes nos interessavam tanto, e cada par fugia logo, indo viver no seu quarto.
Os melhores interesses infantis do brinquedo, fazer comidinha, amamentar
bonecas, pagar visitas, isso nós deixávamos com generosidade apressada para os
menores. Íamos para os nossos quartos e ficávamos vivendo lá. O que os outros
faziam, não sei. Eu, isto é, eu com Maria, não fazíamos nada. Eu adorava
principalmente era ficar assim sozinho com ela, sabendo várias safadezas já mas
sem tentar nenhuma. Havia, não havia não, mas sempre como que havia um perigo
iminente que ajuntava o seu crime à intimidade daquela solidão. Era suavíssimo e
assustador.
Maria fez uns gestos, disse algumas palavras. Era o aniversário de alguém, não
lembro mais, o quarto em que estávamos fora convertido em dispensa, cômodas e
armários cheios de pratos de doces para o chá que vinha logo. Mas quem se
lembrasse de tocar naqueles doces, no geral secos, fáceis de disfarçar qualquer
roubo! estávamos longe disso. O que nos deliciava era mesmo a grave solidão.
Nisto os olhos de Maria caíram sobre o travesseiro sem fronha que estava sobre
uma cesta de roupa suja a um canto. E a minha esposa teve uma invenção que eu
também estava longe de não ter. Desde a entrada no quarto eu concentrara todos
os meus instintos na existência daquele travesseiro, o travesseiro cresceu como
um danado dentro de mim e virou crime. Crime não, "pecado" que é como se dizia
naqueles tempos cristãos... E por causa disso eu conseguira não pensar até ali,
no travesseiro.
- Já é tarde, vamos dormir - Maria falou.
Fiquei estarrecido, olhando com uns fabulosos olhos de imploração para o
travesseiro quentinho, mas quem disse travesseiro ter piedade de mim. Maria,
essa estava simples demais para me olhar e surpreender os efeitos do convite:
olhou em torno e afinal, vasculhando na cesta de roupa suja, tirou de lá uma
toalha de banho muito quentinha que estendeu sobre o assoalho. Pôs o travesseiro
no lugar da cabeceira, cerrou as venezianas da janela sobre a tarde, e depois
deitou, arranjando o vestido pra não amassar.
Mas eu é que nunca havia de pôr a cabeça naquele restico de travesseiro que ela
deixou pra mim, me dando as costas. Restico sim, apesar do travesseiro ser
grande. Mas imaginem numa cabeleira explodindo, os famosos cabelos assustados de
Maria, citação obrigatória e orgulho de família. Tia Velha, muito ciumenta por
causa duma neta preferida que ela imaginava deusa, era a única a pôr defeito nos
cabelos de Maria.
- Você não vem dormir também? - ela perguntou com fragor, interrompendo o meu
silêncio trágico.
- Já vou - que eu disse - estou conferindo a conta do armazém.
Fui me aproximando incomparavelmente sem vontade, sentei no chão tomando cuidado
em sequer tocar no vestido, puxa! também o vestido dela estava completamente
assustado, que dificuldade! Pus a cara no travesseiro sem a menor intenção de.
Mas os cabelos de Maria, assim era pior, tocavam de leve no meu nariz, eu podia
espirrar, marido não espirra. Senti, pressenti que espirrar seria muito
ridículo, havia de ser um espirrão enorme, os outros escutavam lá da
sala-de-visita longínqua, e daí é que o nosso segredo se desvendava todinho.
Fui afundando o rosto naquela cabeleira e veio a noite, senão os cabelos (mas
juro que eram cabelos macios) me machucavam os olhos. Depois que não vi nada,
ficou fácil continuar enterrando a cara, a cara toda, a alma, a vida, naqueles
cabelos, que maravilha! até que o meu nariz tocou num pescocinho roliço. Então
fui empurrando os meus lábios, tinha uns bonitos lábios grossos, nem eram
lábios, era beiço, minha boca foi ficando encanudada até que encontrou o
pescocinho roliço. Será que ela dorme de verdade?... Me ajeitei muito sem-cerimô
nia, mulherzinha! e então beijei. Quem falou que este mundo é ruim! só
recordar... Beijei Maria, rapazes! eu nem sabia beijar, está claro, só beijava
mamães, boca fazendo bulha, contato sem nenhum calor sensual.
Maria, só um leve entregar-se, uma levíssima inclinação pra trás me fez sentir
que Maria estava comigo em nosso amor. Nada mais houve. Não, nada mais houve.
Durasse aquilo uma noite grande, nada mais haveria porque é engraçado como a
perfeição fixa a gente. O beijo me deixara completamente puro, sem minhas
curiosidades nem desejos de mais nada, adeus pecado e adeus escuridão! Se fizera
em meu cérebro uma enorme luz branca, meu ombro bem que doía no chão, mas a luz
era violentamente branca, proibindo pensar, imaginar, agir. Beijando.
Tia Velha, nunca eu gostei de Tia Velha, abriu a porta com um espanto
barulhento. Percebi muito bem, pelos olhos dela, que o que estávamos fazendo era
completamente feio.
- Levantem!... Vou contar pra sua mãe, Juca!
Mas eu, levantando com a lealdade mais cínica deste mundo!
- Tia Velha me dá um doce?
Tia Velha - eu sempre detestei Tia Velha, o tipo da bondade Berlitz, injusta,
sem método - pois Tia Velha teve a malvadeza de escorrer por mim todo um olhar
que só alguns anos mais tarde pude compreender inteiramente. Naquele instante,
eu estava só pensando em disfarçar, fingindo uma inocência que poucos segundos
antes era real.
- Vamos! saiam do quarto!
Fomos saindo muito mudos, numa bruta vergonha, acompanhados de Tia Velha e os
pratos que ela viera buscar para a mesa de chá.
O estranhíssimo é que principiou, nesse acordar à força provocado por Tia Velha,
uma indiferença inexplicável de Maria por mim. Mais que indiferença, frieza
viva, quase antipatia. Nesse mesmo chá inda achou jeito de me maltratar diante
de todos, fiquei zonzo.
Dez, treze, quatorze anos... Quinze anos. Foi então o insulto que julguei
definitivo. Eu estava fazendo um ginásio sem gosto, muito arrastado, cheio de
revoltas íntimas, detestava estudar. Só no desenho e nas composições de
português tirava as melhores notas. Vivia nisso: dez nestas matérias, um, zero
em todas as outras. E todos os anos era aquela já esperada fatalidade: uma, duas
bombas (principalmente em matemáticas) que eu tomava apenas o cuidado de apagar
nos exames de segunda época.
Gostar, eu continuava gostando muito de Maria, cada vez mais, conscientemente
agora. Mas tinha uma quase certeza que ela não podia gostar de mim, quem gostava
de mim!... Minha mãe... Sim, mamãe gostava de mim, mas naquele tempo eu chegava
a imaginar que era só por obrigação. Papai, esse foi sempre insuportável,
incapaz de uma carícia. Como incapaz de uma repreensão também. Nem mesmo comigo,
a tara da família, ele jamais ralhou. Mas isto é caso pra outro dia. O certo é
que, decidido em minha desesperada revolta contra o mundo que me rodeava,
sentindo um orgulho de mim que jamais buscava esclarecer, tão absurdo o
pressentia, o certo é que eu já principiava me aceitando por um caso perdido,
que não adiantava melhorar.
Esse ano até fora uma bomba só. Eu entrava da aula do professor particular,
quando enxerguei a saparia na varanda e Maria entre os demais. Passei bastante
encabulado, todos em férias, e os livros que eu trazia na mão me denunciando,
lembrando a bomba, me achincalhando em minha imperfeição de caso perdido.
Esbocei um gesto falsamente alegre de bom-dia, e fui no escritório pegado,
esconder os livros na escrivaninha de meu pai. Ia já voltar para o meio de
todos, mas Matilde, a peste, a implicante, a deusa estúpida que Tia Velha perdia
com suas preferências:
- Passou seu namorado, Maria.
- Não caso com bombeado - ela respondeu imediato, numa voz tão feia, mas tão
feia, que parei estarrecido. Era a decisão final, não tinha dúvida nenhuma.
Maria não gostava mais de mim. Bobo de assim parado, sem fazer um gesto, mal
podendo respirar.
Aliás um caso recente vinha se ajuntar ao insulto pra decidir de minha sorte.
Nós seríamos até pobretões, comparando com a família de Maria, gente que até
viajava na Europa. Pois pouco antes, os pais tinham feito um papel bem
indecente, se opondo ao casamento duma filha com um rapaz diz-que pobre mas
ótimo. Houvera um rompimento de amizade, mal-estar na parentagem toda, o caso
virara escândalo mastigado e remastigado nos comentários de hora de jantar. Tudo
por causa do dinheiro.
Se eu insistisse em gostar de Maria, casar não casava mesmo, que a família dela
não havia de me querer. Me passou pela cabeça comprar um bilhete de loteria.
"Não caso com bombeado"... Fui abraçando os livros de mansinho, acariciei-os
junto ao rosto, pousei a minha boca numa capa, suja de pó suado, retirei a boca
sem desgosto. Naquele instante eu não sabia, hoje sei: era o segundo beijo que
eu dava em Maria, último beijo, beijo de despedida, que o cheiro desagradável do
papelão confirmou. Estava tudo acabado entre nós dois.
Não tive mais coragem pra voltar à varanda e conversar com... os outros. Estava
com uma raiva desprezadora de todos, principalmente de Matilde. Não, me parecia
que já não tinha raiva de ninguém, não valia a pena, nem de Matilde, o insulto
partira dela, fora por causa dela, mas eu não tinha raiva dela não, só tristeza,
só vazio, não sei... creio que uma vontade de ajoelhar. Ajoelhar sem mais nada,
ajoelhar ali junto da escrivaninha e ficar assim, ajoelhar. Afinal das contas eu
era um perdido mesmo, Maria tinha razão, tinha razão, tinha razão, que tristeza!
Foi o fim? Agora é que vem o mais esquisito de tudo, ajuntando anos pulados.
Acho que até não consigo contar bem claro tudo o que sucedeu. Vamos por ordem:
Pus tal firmeza em não amar Maria mais, que nem meus pensamentos me traíram. De
resto a mocidade raiava e eu tinha tudo a aprender. Foi espantoso o que se
passou em mim. Sem abandonar o meu jeito de "perdido", o cultivando mesmo,
ginásio acabado, eu principiara gostando de estudar. Me batera, súbito, aquela
vontade irritada de saber, me tornara estudiosíssimo. Era mesmo uma impaciência
raivosa, que me fazia devorar bibliotecas, sem nenhuma orientação. Mas brilhava,
fazia conferências empoladas em sociedadinhas de rapazes, tinha idéias que
assustavam todo o mundo. E todos principiavam maldando que eu era muito
inteligente mas perigoso.
Maria, por seu lado, parecia uma doida. Namorava com Deus e todo o mundo, aos
vinte anos fica noiva de um rapaz bastante rico, noivado que durou três meses e
se desfez de repente, pra dias depois ela ficar noiva de outro, um diplomata
riquíssimo, casar em duas semanas com alegria desmedida, rindo muito no altar e
partir em busca duma embaixada européia com o secretário chique seu marido.
Às vezes meio tonto com estes acontecimentos fortes, acompanhados meio de longe,
eu me recordava do passado, mas era só pra sorrir da nossa infantilidade e
devorar numa tarde um livro incompreensível de filosofia. De mais a mais, havia
Rose pra de-noite, e uma linda namoradinha oficial, a Violeta. Meus amigos me
chamavam de "jardineiro", e eu punha na coincidência daqueles duas flores uma
força de destinação fatalizada. Tamanha mesmo que topando numa livraria com The
Gardener de Tagore, comprei o livro e comecei estudando o inglês com loucura.
Mário de Andrade conta num dos seus livros que estudou o alemão por causa dum
emboaba tordilha... eu também: meu inglês nasceu duma Violeta e duma Rose.
Não, nasceu de Maria. Foi quando uns cinco anos depois, Maria estava pra voltar
pela primeira vez ao Brasil, a mãe dela, queixosa de tamanha ausência,
conversando com mamãe na minha frente, arrancou naquele seu jeito de gorda
desabrida:
- Pois é, Maria gostou tanto de você, você não quis!... e agora ela vive longe
de nós.
Pela terceira vez fiquei estarrecido neste conto. Percebi tudo num tiro de
canhão. Percebi ela doidejando, noivando com um, casando com outro, se
atordoando com dinheiro e brilho. Percebi que eu fora uma besta, sim agora que
principiava sendo alguém, estudando por mim fora dos ginásios, vibrando em
versos que muita gente já considerava. E percebi horrorizado, que Rose! nem
Violeta, nem nada! era Maria que eu amava como louco! Maria é que amara sempre,
como louco: ôh como eu vinha sofrendo a vida inteira, desgraçadíssimo,
aprendendo a vencer só de raiva, me impondo ao mundo por despique, me
superiorizando em mim só por vingança de desesperado. Como é que eu pudera me
imaginar feliz, pior: ser feliz, sofrendo daquele jeito! Eu? eu não! era Maria,
era exclusivamente Maria toda aquela superioridade que estava aparecendo em
mim... E tudo aquilo era uma desgraça muito cachorra mesma. Pois não andavam
falando muito de Maria? Contavam que pintava o sete, ficara célebre com as
extravagâncias e aventuras. Estivera pouco antes às portas do divórcio, com um
caso escandaloso por demais, com um pintor de nomeada que só pintava efeitos de
luz. Maria falada, Maria bêbeda, Maria passada de mão em mão, Maria pintada
nua...
Se dera como que uma transposição de destinos... E tive um pensamento que ao
menos me salvou no instante: se o que tinha de útil agora em mim era Maria, se
ela estava se transformando no Juca imperfeitíssimo que eu fora, se eu era
apenas uma projeção dela, como ela agora apenas uma projeção de mim, se nos
trocáramos por um estúpido engano de amor: mas ao menos que eu ficasse bem ruim,
mas bem ruim mesmo outra vez pra me igualar a ela de novo. Foi a razão da briga
com Violeta, impiedosa, e a farra dessa noite - bebedeira tamanha que acabei
ficando desacordado, numa série de vertigens, com médico, escândalo, e choro
largo de mamãe com minha irmã.
Bom, tinha que visitar Maria, está claro, éramos "gente grande" agora. Quando
soube que ela devia ir a um banquete, pensei comigo: "ótimo, vou hoje logo
depois de jantar, não encontro ela e deixo o cartão". Mas fui cedo demais.
Cheguei na casa dos pais dela, seriam nove horas, todos aqueles requififes de
gente ricaça, criado que leva cartão numa salva de prata etc. Os da casa estavam
ainda jantando. Me introduziram na saletinha da esquerda, uma espécie de
luís-quinze muito sem-vergonha, dourado por inteiro, dando pro hol central. Que
fizesse o favor de esperar, já vinham.
Contemplando a gravura cor-de-rosa, senti de supetão que tinha mais alguém na
saleta, virei. Maria estava na porta, olhando pra mim, se rindo, toda vestida de
preto. Olhem: eu sei que a gente exagera em amor, não insisto. Mas se eu já tive
a sensação da vontade de Deus, foi ver Maria assim, toda de preto vestida,
fantasticamente mulher. Meu corpo soluçou todinho e tornei a ficar estarrecido.
- Ao menos diga boa-noite, Juca...
"Boa-noite, Maria, eu vou-me embora"... meu desejo era fugir, era ficar e ela
ficar mas, sim, sem que nos tocássemos sequer. Eu sei, eu juro que sei que ela
estava se entregando a mim, me prometendo tudo, me cedendo tudo quanto eu
queria, naquele se deixar olhar, sorrindo leve, mãos unidas caindo na frente do
corpo, toda vestida de preto. Um segundo, me passou na visão devorá-la numa hora
estilhaçada de quarto de hotel, foi horrível. Porém, não havia dúvida: Maria
despertava em mim os instintos da perfeição. Balbuciei afinal um boa-noite muito
indiferente, e as vozes amontoadas vinham do hol, dos outros que chegavam.
Foi este o primeiro dos quatro amores eternos que fazem de minha vida uma grave
condensação interior. Sou falsamente um solitário. Quatro amores me acompanham,
cuidam de mim, vêm conversar comigo. Nunca mais vi Maria, que ficou pelas
Europas, divorciada afinal, hoje dizem que vivendo com um austríaco interessado
em feiras internacionais. Um aventureiro qualquer. Mas dentro de mim, Maria...
bom: acho que vou falar banalidade.